Uma imagem vale mais do que mil palavras?

Fotógrafo premiado retrata violência brasileira como guerra e reforça estereótipos que apoiam o genocídio da população pobre, jovem e negra

Praticamente nada nas sociedades humanas é “natural”. Mesmo as necessidades animais básicas como comer, beber e dormir, são feitas de maneiras culturalmente construídas e codificadas. Comer carne de vaca ou de cachorro, beber água ou refrigerante, dormir em cama ou em rede nos foi ensinado pelos que vieram antes de nós. No princípio da humanidade, a maneira mais usual de se transmitir o conhecimento (e com ele os critérios de escolha, valoração e padrões de comportamento) era a oral. Mas havia também a consolidação, perpetuação e transmissão dos conceito-chave para a convivência, e mesmo existência em sociedade, pela forma de raciocínio definida pelo filósofo tcheco Vilém Flusser como mágico-imagético-circular, porque baseada no modo como as pessoas leem as imagens, com o olhar circulando pela cena e apreendendo dela o que considera mais significativo, normalmente reforçando os conceitos que já temos arraigados dentro de nós. Por um breve período de tempo, cerca de 3.300 anos, desde a redação dos primeiros cinco livros da bíblia, a forma de raciocínio hegemônica na sociedade passou pouco a pouco a ser a tempo-histórico-linear, baseada em textos, que precisam de uma ordem linear para serem lidos, pressupondo causas e consequências em todas as relações.

Com a invenção da fotografia, contudo, qualquer pessoa, mesmo que não saiba ler textos, pode construir mensagens imagéticas com um simples click. Este é, aliás, o slogan de lançamento da primeira câmera fotográfica da Kodak, em 1888: você aperta o botão e nós fazemos o resto. Para Flusser, esse é o início de uma nova era, chamada de pós-histórica, onde o raciocínio mágico-imagético-circular volta com força. Com o advento dos meios de comunicação em massa, as imagens, não só visuais mas compostas também por textos, sons e narrativas orais, passam a fazer a mediação entre os homens e o mundo e entre os homens e os homens. Assim, as opiniões e conceitos que temos sobre os fatos hoje são construídas principalmente pelas imagens captadas para e distribuídas pelos grandes fluxos de informação. Como a forma de pensamento tem se tornado mais e mais mágico-imagético-circular, cada vez menos as pessoas nas ruas buscam as causas do que veem nos jornais, revistas, TVs e Internet, e pouco se atentam para as consequências dessas visões de mundo. As solução para problemas complexos parecem, então, simples e mágicas. Basta matarmos todos os bandidos, por exemplo, e viveremos em paz. Como diz Flusser:

O FASCÍNIO MÁGICO QUE EMANA DAS IMAGENS TÉCNICAS É PALPÁVEL A TODO INSTANTE EM NOSSO ENTORNO. VIVEMOS, CADA VEZ MAIS OBVIAMENTE, EM FUNÇÃO DE TAL MAGIA IMAGÉTICA: VIVENCIAMOS, CONHECEMOS, VALORIZAMOS E AGIMOS CADA VEZ MAIS EM FUNÇÃO DE TAIS IMAGENS

Numa sociedade altamente fundada na visibilidade como a nossa, portanto, profissionais da imagem, como fotojornalistas, têm uma responsabilidade enorme em passar para o público pontos de vista sobre a realidade objetiva que levem à reflexão sobre como resolver de fato, ou ao menos minimizar, os sérios problemas sociais que temos. Quando um fotógrafo de conflitos internacionais que recebeu a mais importante premiação de cobertura de guerra do mundo, a medalha de ouro Robert Capa, decide retratar a violência brasileira, boa parte dos colegas ficamos empolgados com a possibilidade deste que, a meu ver, é o principal problema nacional (temos mais de 50 mil assassinatos por ano no Brasil há tempos) fosse representado por imagens, textos e contextos que pudessem impactar positivamente as políticas para o setor. Afinal, a visibilidade desse trabalho seria imensa devido à reputação do fotógrafo e seu fácil acesso a todos os grandes meios de comunicação do país. Infelizmente, não foi isso que aconteceu. Bem ao contrário.

Foto de André Liohn, sem data, local ou legenda, distribuída com o Press Release de divulgação da exposição Revogo

A mostra Revogo, exposta no Centro Cultural da Caixa Econômica Federal de São Paulo desde o último dia 10 de outubro, traz 60 fotografias tiradas em vários lugares do Brasil em três anos de atividade do fotojornalista André Liohn depois que voltou ao país após ter sido preso na guerra civil na Síria. Nas paredes estão distribuídas imagens de “trabalhadores” do tráfico de drogas ilegais, das manifestações populares de 2013, consumo de crack (resultantes de um ensaio encomendado pela revista Veja), bailes funk, e ações da polícia. Não há separações nos temas, nem contextualização e sequer legendas individuais. Num pequeno texto separado numa parede oposta às fotos temos as informações de que o autor pretende com a exposição “revogar” preconceitos de que o Brasil vive uma “guerra velada” (para ele, a situação é de “delinquência generalizada”), que se trata de retratos de momentos de “trauma” (quando a partir daí a vida toma inevitavelmente outro rumo) e que todas as fotos têm uma única legenda: Onde? Brasil. Quando? Hoje.

Reprodução da página de André Liohn no Facebook para divulgação da exposição Revogo. Fotos de um lado, textos de outro.

Apesar de dizer na série de vídeos oficiais da mostra[1] que a principal foto da exposição é a que mostra uma jovem sem calça sendo apalpada por quatro homens na Noite da Devassa, um baile funk promovido por uma marca de cerveja, essa imagem vem tendo divulgação menor por causa seu conteúdo de nudez. Outras aparecem apenas em galerias virtuais dos portais de notícias sob o alerta: Atenção, as imagens a seguir são fortes. A mais comumente publicada, distribuída junto com o press-release[2] e que abre a exposição, é a que mostra um menino negro de costas atirando com uma pistola automática sobre um campo relvado que parece ser um morro carioca. Em um dos vídeos oficiais, Liohn diz que foi dele a ideia de desafiar a criança, que teria 10 anos de idade e trabalharia no tráfico de drogas, a dar alguns tiros para provar que ela sabia atirar, contrariando os demais traficantes que diziam que ela era péssima atiradora.

Reprodução da primeira página do caderno Ilustrada, da Folha de S.Paulo de 5 de outubro de 2015 sobre a exposição Revogo, de André Liohn

Na reportagem de capa do caderno Ilustrada, da Folha de S. Paulo, com o título Notícias de uma guerra particular, Lioh afirma que “As flores, marias-sem-vergonha, ilustram como são nossas crianças: nascem do nada, mas são frágeis, morrem do nada também”[3]. Na versão digital da reportagem de Anna Virgínia Balloussier, o título muda paraVencedor da medalha Robert Capa abre mostra sobre violência no Brasil. A matéria impressa, contudo, tem mais impacto, já que tiro disparado pela criança “atinge” em cheio as letras garrafais vermelhas que dão nome ao caderno de cultura do jornal. Outras duas fotos de adolescentes traficantes, ambos negros, aparecem na mostra. Nas duas os meninos portam pistolas automáticas, mas como são fotografados de frente, suas identidades são preservadas por máscaras representando demônios ou diabos.

A matéria segue informando que “Liohn apontou sua lente para enterros, policiais dando dura em jovens negros e uma menina alucinada com o éter da garrafa plástica”. De fato, várias das fotos da mostra apresentam policiais na ativa, e sempre de forma altiva. A imagem abaixo, por exemplo, se assemelha muito a uma das fotos premiadas do conflito na Líbia, com os soldados rebeldes subindo uma escada[4]. Todas as pessoas detidas pela polícia nas imagens, por outro lado, estão de cabeça baixa, algemadas e subjugadas, e, coincidentemente ou não, são negras, assim como todos os cadáveres, cerca de 15, retratados nas fotografias.

Foto de André Liohn, sem data, local ou legenda, para a exposição Revogo

Na única foto em que aparecem oficiais ajudando alguém, essa pessoa também é um policial ferido, provavelmente numa das manifestações de 2013 (como não há data ou local específico, é difícil identificar com certeza). Durante as chamadas Jornadas de Junho, de 2013, tivemos a oportunidade de encontrar André Liohn várias vezes nas ruas, trabalhando. Em 7 de setembro de 2013, por exemplo, com a forte repressão policial às manifestações levando a um grande número de feridos, fizemos a imagem (que abre essa matéria) de oficiais agredindo dois fotógrafos independentes: Rodrigo Zaim (do R.U.A. Fotocoletivo) e Paulo Ishizuka (da Mídia NINJA). Também fizemos um retrato de Liohn, que chegou junto com alguns policiais quando os paramédicos vieram atender um manifestante atropelado por uma viatura policial e ele estava fotografando a vítima.

André Liohn fotografando um manifestante atropelado por uma viatura policial sendo atendido por paramédicos em 07/09/2013. Foto: MediaQuatro

Seu bom relacionamento com a polícia desde essa época certamente o ajudou a fazer algumas das fotos que compõem a exposição, acompanhando de dentro o trabalho da mais violenta tropa da corporação em São Paulo: a Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar — ROTA. Se o método de Liohn para fotografar a violência no Brasil é o mesmo que ele utiliza nas guerras, conforme ele próprio afirma, sua cobertura é equivalente à dos jornalistas embedded, que viajam junto com as tropas e portanto reproduzem o seu ponto de vista e não o dos civis[5].

Quando entrevistado pelo programa Roda Viva[6], assim que recebeu em 2012 a Robert Capa Gold Medal por sua cobertura da queda do Muammar Al Gaddafi na Líbia, Liohn afirmou que nunca se interessou em estudar fotografia, mas alguns conceitos básicos são essenciais e deveriam ter sido apreendidos ainda que de forma empírica no campo. Pra começar, temos as proposições de Roland Barthes no clássico A Mensagem Fotográfica[7], publicado originariamente em 1962, onde ele define a fotografia como uma “mensagem sem código”, já que seu significados não resultam apenas dos componentes denotativos (o que realmente aparece nas imagens e tem relação direta com o referente fotográfico) mas principalmente dos elementos conotativos, que são atribuídos culturalmente para se dar significação ao que se vê e estão presentes tanto dentro da imagem em si, como nos textos que a acompanham e nos contextos em que ela é apresentada.

O CÓDIGO DE CONOTAÇÃO NÃO ERA VEROSSIMILMENTE NEM “NATURAL” NEM “ARTIFICIAL”, MAS HISTÓRICO, OU, SE SE PREFERE: “CULTURAL”; OS SIGNOS AÍ SÃO GESTOS, ATITUDES, EXPRESSÕES, CORES OU EFEITOS, DOTADOS DE CERTOS SENTIDOS EM VIRTUDE DO USO DE UMA CERTA SOCIEDADE: A LIGAÇÃO ENTRE O SIGNIFICANTE E O SIGNIFICADO, ISTO É, A SIGNIFICAÇÃO PROPRIAMENTE DITA, PERMANECE, SENÃO IMOTIVADA, PELO MENOS INTEIRAMENTE HISTÓRICA. […] A SIGNIFICAÇÃO É, EM SUMA, O MOVIMENTO DIALÉTICO QUE RESOLVE A CONTRADIÇÃO ENTRE O HOMEM CULTURAL E O HOMEM NATURAL. GRAÇAS AO SEU CÓDIGO DE CONOTAÇÃO, A LEITURA DA FOTOGRAFIA É PORTANTO SEMPRE HISTÓRICA: ELA DEPENDE DO “SABER” DO LEITOR, EXATAMENTE COMO SE SE TRATASSE DE UMA LÍNGUA VERDADEIRA, INTELIGÍVEL SOMENTE SE APRENDEMOS OS SEUS SIGNOS.

No caso que Barthes chama de foto-choque, ou traumáticas, como as fotografias de conflitos, mortes, incêndios, tragédias, etc, exatamente o que Liohn se propõe a fazer, a tarefa de buscar reflexão sobre as problemáticas envolvidas é ainda mais ingrata.

O TRAUMA É PRECISAMENTE O QUE SUSPENDE A LINGUAGEM E BLOQUEIA A SIGNIFICAÇÃO. DECERTO, SITUAÇÕES NORMALMENTE TRAUMÁTICAS PODEM SER APREENDIDAS NUM PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO FOTOGRÁFICA; MAS É QUE ENTÃO PRECISAMENTE ELAS SÃO ASSINALADAS POR UM CÓDIGO RETÓRICO QUE AS DISTANCIA, AS SUBLIMA, AS PACIFICA. […] A FOTO-CHOQUE É POR ESTRUTURA INSIGNIFICANTE: NENHUM VALOR, NENHUM SABER, EM ÚLTIMO TERMO NENHUMA CATEGORIZAÇÃO VERBAL PODE TER DOMÍNIO SOBRE O PROCESSO INSTITUCIONAL DA SIGNIFICAÇÃO. […] POR QUÊ? É QUE, SEM DÚVIDA, COMO TODA SIGNIFICAÇÃO BEM ESTRUTURADA, A CONOTAÇÃO FOTOGRÁFICA É UMA ATIVIDADE INSTITUCIONAL; À ESCALA DA SOCIEDADE TOTAL, SUA FUNÇÃO É INTEGRAR O HOMEM, ISTO É, DAR-LHE SEGURANÇA

Nesse sentido, é incompatível “dar segurança” à sociedade “revogando” os preconceitos culturalmente associados à visão repassada pela mídia hegemônica de que vivemos uma guerra. Principalmente se as imagens reproduzem, sob o mesmo ponto de vista, situações milhões de vezes representadas nos jornais, revistas e TVs, e não trazem textos que podem contextualizar as problemáticas envolvidas. Em seu ensaio de 1931, Pequena história da fotografia, o ensaísta alemão Walter Benjamin já alertava para a importância das legendas na contextualização de uma imagem, atribuindo-lhe características e significados que não estão entre os elementos denotativos da fotografia.

AQUI DEVE INTERVIR A LEGENDA, INTRODUZIDA PELA FOTOGRAFIA PARA FAVORECER A LITERALIZAÇÃO DE TODAS AS RELAÇÕES DA VIDA E SEM A QUAL QUALQUER CONSTRUÇÃO FOTOGRÁFICA CORRE O RISCO DE PARECER VAGA E APROXIMATIVA. […] JÁ SE DISSE QUE ‘O ANALFABETO DO FUTURO NÃO SERÁ QUEM NÃO SABE ESCREVER, MAS QUEM NÃO SABE FOTOGRAFAR’. MAS UM FOTÓGRAFO QUE NÃO SABE LER SUAS IMAGENS NÃO É PIOR DO QUE UM ANALFABETO? NÃO SE TORNARÁ A LEGENDA A PARTE MAIS ESSENCIAL DA FOTOGRAFIA?”

No final, ao invés de revogar preconceitos, a exposição de André Liohn só faz reforçá-los. A leitura mágica-imagética-circular por uma população com medo da violência urbana estampada nos jornais e gritada nos programas policiais vespertinos das fotografias de Revogo, independente do que o autor diz nas entrevistas ou escreve na parede, será majoritariamente de que o perigo para a sociedade são meninos negros “de menor” e “impunes” empunhando pistolas automáticas.

Foto de André Liohn, sem data, local ou legenda, para a exposição Revogo

Por consequência dessa visão simplista e dualista, a única força armada que pode nos proteger são os policiais que se arriscam diariamente nessa “guerra”. Ora, se estamos tratando de uma guerra, é inevitável que eventualmente morram inocentes. É o que os estadunidenses chamam eufemisticamente, desde a Guerra do Vietnã, quando começaram a morrer mais civis do que soldados, de “danos colaterais”. Sob a mesma lógica, o inimigo deve ser exterminado, o que condiz com pesquisas recentes que apontam metade da população brasileira apoiando a máxima “bandido bom é bandido morto”[8] e quase 90% exigindo a diminuição da maioridade penal[9]. Afinal, como afirma Vilém Flusser,

O CARÁTER MÁGICO DAS IMAGENS É ESSENCIAL PARA A COMPREENSÃO DAS SUAS MENSAGENS. […] IMAGENS SÃO MEDIAÇÕES ENTRE O HOMEM E O MUNDO. […] IMAGENS TEM O PROPÓSITO DE REPRESENTAR O MUNDO. MAS, AO FAZÊ-LO, INTERPÕEM-SE ENTRE O MUNDO E O HOMEM. SEU PROPÓSITO É SEREM MAPAS DO MUNDO, MAS PASSAM A SER BIOMBOS. O HOMEM, AO INVÉS DE SE SERVIR DAS IMAGENS EM FUNÇÃO DO MUNDO, PASSA A VIVER EM FUNÇÃO DAS IMAGENS. […] O CARÁTER APARENTEMENTE NÃO-SIMBÓLICO, OBJETIVO, DAS IMAGENS TÉCNICAS FAZ COM QUE O OBSERVADOR AS OLHE COMO SE FOSSEM JANELAS, E NÃO IMAGENS. O OBSERVADOR CONFIA NAS IMAGENS TÉCNICAS TANTO QUANTO CONFIA EM SEUS PRÓPRIOS OLHOS. QUANDO CRITICA AS IMAGENS TÉCNICAS (SE É QUE AS CRITICA), NÃO O FAZ ENQUANTO IMAGENS, MAS ENQUANTO VISÕES DO MUNDO. ESSA ATITUDE DO OBSERVADOR EM FACE DAS IMAGENS TÉCNICAS CARACTERIZA A SITUAÇÃO ATUAL, ONDE TAIS IMAGENS SE PREPARAM PARA ELIMINAR OS TEXTOS. ALGO QUE APRESENTA CONSEQUÊNCIAS ALTAMENTE PERIGOSAS.

Em nenhum momento as causas reais da violência brasileira cotidiana, como a imensa letalidade policial (somente nos primeiros oito meses dessa ano a polícia paulista matou, oficialmente, 571 pessoas, sem contar com as chacinas como a de agosto último quando 32 pessoas foram executadas por encapuzados[10]) foram abordadas. Como dito anteriormente, isso somente reforça a “imagem” passada pelos meios de comunicação em massa, como a Folha de S. Paulo que no dia 15 de agosto publicou um texto do editor do Caderno Cotidiano especulando sobre como a maior chacina do ano pode afetar as chances políticas do Secretário de Segurança Pública do Estado, Alexandre Moraes, disputar (ou até ganhar) a prefeitura da capital, São Paulo, para terminar com sua vaga promessa de “rapidamente dar uma resposta’ sobre a noite mais violenta de sua gestão” [11], o que não aconteceu até agora, passados mais de 70 dias. Em outro texto beirando o surreal para quem não conhece a realidade das periferias brasileiras, parentes das pessoas assassinadas afirmam não esperar por justiça e que as vítimas estariam “no lugar errado, na hora errada”[12]. Não por acaso, o texto imediatamente anterior no jornal traz a manchete “12 dos 18 mortos não tinham antecedente criminal, diz polícia”[13], trazendo implícita a concepção largamente difundida na sociedade brasileira de que seis das vítimas seriam criminosos e portanto mereciam morrer, apesar do país não possuir uma pena capital e consequentemente sua execução extrajudicial ser um crime de homicídio passível de 27 anos de cadeia.

Talvez Liohn pudesse aprender um pouco sobre o poder que as imagens têm de influenciar na realidade com outro vencedor da medalha de ouro Robert Capa, aliás, cinco vezes ganhador: o fotojornalista James Natchwey. No autobiográfico Fotógrafo de Guerra (2001) [14], ele conta que escolheu a profissão no início dos anos 1970 exatamente por perceber que as imagens que chegavam do Vietnã mostravam uma realidade diferente daquela presente nos discursos dos dirigentes políticos e militares.

POR QUE FOTOGRAFAR A GUERRA? SERÁ POSSÍVEL COLOCAR FIM A UMA FORMA DE COMPORTAMENTO HUMANO QUE EXISTE AO LONGO DE TODA A HISTÓRIA ATRAVÉS DA FOTOGRAFIA? A COLOCAÇÃO DESSA QUESTÃO PARECE RIDÍCULA E COMPLETAMENTE DESAJUSTADA. AINDA ASSIM É PRECISAMENTE ESSA IDEIA QUE ME MOTIVA. PARA MIM, A FORÇA DA FOTOGRAFIA RESIDE NA CAPACIDADE DE EVOCAR O SENTIDO DA HUMANIDADE. SE A GUERRA TENTA NEGAR A HUMANIDADE, A FOTOGRAFIA PODERIA CONCEBER-SE COMO O OPOSTO DA GUERRA. E, SE FOR BEM USADA, CONSTITUI UM PODEROSO ANTÍDOTO CONTRA A GUERRA. DE CERTO MODO, SE UM INDIVÍDUO ASSUME O RISCO DE COLOCAR-SE NO MEIO DE UMA GUERRA PARA COMUNICAR AO RESTO DO MUNDO O QUE SE PASSA, ELE TENTA NEGOCIAR A PAZ. POR ISSO AQUELES QUE PERPETUAM A GUERRA NÃO GOSTAM DE TER FOTÓGRAFOS POR PERTO. NO CAMPO, AQUILO QUE SE EXPERIMENTA É EXTREMAMENTE IMEDIATO. […]. O QUE SE VÊ É UMA DOR SEM PALIATIVOS. É INJUSTIÇA E MISÉRIA. MINHA IDEIA É QUE SE TODOS PUDÉSSEMOS ESTAR LÁ, PELO MENOS UMA VEZ, E VER COM NOSSOS PRÓPRIOS OLHOS O QUE O FÓSFORO BRANCO FAZ NO ROSTO DE UMA CRIANÇA, A DOR INDIZÍVEL QUE CAUSA O IMPACTO DE UMA ÚNICA BALA, COMO UM ESTILHAÇO DE MORTEIRO ARRANCA UMA PERNA… SE CADA UM PUDESSE VER ISSO POR SI MESMO, O MEDO E O PESAR, UMA SÓ VEZ, ENTÃO COMPREENDERIA QUE NADA JUSTIFICA QUE AS COISAS LEVEM A UM PONTO EM QUE ISSO OCORRA A UMA ÚNICA PESSOA, MUITO MENOS A MILHARES. MAS NEM TODOS PODEM IR LÁ, E É POR ISSO QUE OS FOTÓGRAFOS DE GUERRA VÃO. PARA AGARRÁ-LOS E FAZER COM QUE PAREM O QUE ESTÃO FAZENDO E PRESTEM ATENÇÃO AO QUE ESTÁ ACONTECENDO. PARA CRIAR FOTOGRAFIAS SUFICIENTEMENTE PODEROSAS PARA ULTRAPASSAR O EFEITO ILUSÓRIO DA MÍDIA E QUE SACUDAM AS PESSOAS DA SUA INDIFERENÇA. PARA PROTESTAR E, COM A FORÇA DESSE PROTESTO, FAZER COM QUE OUTROS TAMBÉM PROTESTEM. (FOTÓGRAFO… 2001, 1:27:17MIN A 1:30:05 MIN).

[1] Disponíveis na página de Facebook do fotógrafo emhttps://www.facebook.com/Andr%C3%A9-Liohn-459960177375173/, acesso em 23/10/2015.

[2] Disponível emhttp://www20.caixa.gov.br/Paginas/Releases/Noticia.aspx?releID=833, acesso em 22/10/2015.

[3] Disponível emhttp://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2015/10/1690182-vencedor-da-medalha-robert-capa-abre-mostra-sobre-violencia-no-brasil.shtml, acesso em 17/10/2015.

[4] Disponível em http://www.diariodocentrodomundo.com.br/wp-content/uploads/2012/09/libia7.jpeg, acesso em 23/10/2015.

[5] Uma crítica contundente ao trabalho dos jornalistas “embutidos” ouembedded pode ser assistida no documentário A guerra que você não vê, do jornalista John Pilger. Disponível em:https://www.youtube.com/watch?v=pskjzl2czKg. Acesso em 23/10/2015.

[6] Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=SxDm-xVYk6w, acesso em 22/10/2015.

[7] Disponível em https://veele.files.wordpress.com/2011/11/roland-barthes-a-mensagem-fotogrc3a1fica.pdf, acesso em 22/10/2015.

[8] Disponível emhttp://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/10/1690176-metade-do-pais-acha-que-bandido-bom-e-bandido-morto-aponta-pesquisa.shtml, acesso em 15/10/2015.

[9] Disponível emhttp://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/04/1616762-87-querem-reducao-da-maioridade-penal-numero-e-o-maior-ja-registrado.shtml, acesso em 15/10/2015.

[10] Disponível em http://www.valor.com.br/politica/4233884/em-sao-paulo-policia-mata-571-pessoas-em-oito-meses, acesso em 23/10/2015.

[11] http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/229563-ataques-sao-primeiro-forte-reves-para-secretario.shtml acesso em 2 de Set de 2015.

[12] http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/229558-nao-vou-pedir-justica-afirma-mae-de-vitima.shtmlacesso em 2 de Set de 2015.

[13] http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/229557-12-dos-18-mortos-nao-tinham-antecedente-criminal-diz-policia.shtml acesso em 2 de Set de 2015.

[14] Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=vLBdTIPf2PEacesso em 22/10/2015.

Posts em Destaque
Posts Recentes